A Mata Atlântica é a segunda maior floresta tropical da América do Sul, atrás apenas da Amazônia. Originalmente, sua cobertura se estendia ao longo da costa brasileira, desde o estado do Rio Grande do Norte até o do Rio Grande do Sul, entrando no continente até o Paraguai e a província argentina de Missiones, onde é conhecida como Selva Misionera.

Foi o primeiro ambiente encontrado pelos colonizadores portugueses há mais de 500 anos. É onde 70% da população brasileira vive atualmente, incluindo algumas das maiores cidades, São Paulo, Rio de Janeiro, Salvador e Curitiba. Como resultado deste processo de ocupação, aproximadamente 93% da cobertura original de Mata Atlântica foi destruída ou severamente alterada.

Devido a diferenças de altitude e distância do oceano, a Mata Atlântica abriga ambientes distintos como a Restinga, o Manguezal, as Florestas de Planície, as Florestas de Montanhas, as Florestas com Araucárias e os Campos de Altitude. Esta combinação de ambientes variados com um clima tropical úmido é responsável por uma das maiores diversidades biológicas do mundo. Este bioma abriga cerca de 20.000 espécies de plantas, chegam-se a encontrar 450 espécies de árvores em um único hectare de floresta (área equivalente ao tamanho de um campo de futebol). Além disso, um número estimado de 2.200 espécies de aves, mamíferos, répteis e anfíbios vivem na Mata Atlântica.

Esta abundância biológica é complementada por altos níveis de endemismo. Devido ao seu isolamento da Bacia Amazônica por uma região árida a oeste, a Mata Atlântica abriga espécies de plantas e animais distintas que só ocorrem neste bioma.

Mata Atlântica mapa

Mata Atlântica do Brasil

Grupo taxonômicoDiversidade de espécies
(número de espécies conhecidas)
% de endemismo
(espécie encontrada somente aqui)
Plantas vasculares20.000 espécies20%
Peixes de água doce133 espécies40%
Anfíbios> 450 espécies50%
Répteis> 300 espécies95%
Aves> 900 espécies15%
Mamíferos260 espécies27%

Mangue

Mata Atlântica

Bugio

Muito além de lar para diversos grupos indígenas (guaranis e kaingangs) e outras comunidades tradicionais (caiçaras e quilombolas), a Mata Atlântica provê água para a maior parte da população brasileira. E as benécies não param por aí, sua existência ajuda a mitigar os efeitos das mudanças climáticas e contribui para a prevenção de desastres naturais.

Fotografias por Zig Koch & Luciano Candisani